BAI Arte
 

Edição 2015 - Rostos da Paz

Comemoramos em 2015 uma grande efeméride que, para nós nacionais, é mais um marco histórico na independência de Angola, 40 anos da sua existência e concomitante a 17ª Edição do BAI Arte, precisamente no ano que o Banco Angolano de Investimentos (BAI) comemora o seu 19º aniversário.

O BAI e a Fundação BAI, nunca se tornaram indiferentes por esta efeméride, ligando assim a arte, como uma actividade humana ligada a manifestações de ordem estética, feita por artistas a partir de percepções, emoções e ideias, com o objectivo de estimular esse interesse de consciência em uma ou mais espectadores, em que cada obra de arte possui um significado único e diferente.

A arte está ligada à estética, porque é considerada uma faculdade ou acto na qual, é trabalhada uma matéria, a imagem ou o som, em que a partir destes, o homem cria beleza ao esforçar-se em dar expressão ao mundo material ou imaterial que o inspira.

Na história da filosofia tentou-se definir a arte como intuição, expressão, projecção, sublimação, evasão, etc.

A arte vária de acordo com a época e a cultura, por ser arte rupestre, artesanato, arte da ciência, da religião e da tecnologia. Actualmente, a arte é usada como actividade artística ou o produto da sua actividade. É ainda uma criação humana com valores estéticos, como beleza, equilíbrio, harmonia, que representam um conjunto de procedimentos utilizados para realizar obras.

A arte em Angola também é o 'rosto' do programa de reconstrução nacional que em 13 anos de paz permitiu a recuperação e construção de infra-estruturas socioeconómicas de grande dimensão em toda a extensão do território.

Assim sendo e para finalizar desejamos a todos os presentes que visitam ou visitaram a 17ª Edição do BAI Arte, uma boa apreciação dos resultados estéticos e das emoções de artistas angolanos da era pós/após independência e que reflectem aqui os seus ideais.